Como mitigar a inadimplência das empresas através dos recebíveis?

Como conceder mais crédito sem impactar a inadimplência das empresas?

 

Uma pesquisa recente realizada pela Serasa Experian mostrou como o cenário adverso da economia, com altas taxas de juros e inflação, tem impactado a inadimplência das empresas no Brasil. O levantamento mostrou que existem 6,33 milhões de empresas inadimplentes no país. Como destacado no levantamento, o número é o maior já registrado desde o início da série histórica (2016). Outro número que chama a atenção no estudo é que, quando considerado o porte das empresas inadimplentes, as micro e pequenas empresas são responsáveis por aproximadamente 89% das empresas em atraso.

 

Uma das principais linhas afetando a estatística, são as linhas de capital de giro.

 

Dentro dos principais fatores contribuindo para este cenário, podemos destacar:

 

  • O aumento da taxa básica de juros (SELIC), que saiu de sua mínima histórica de 2% a.a. para quase 14% a.a. em relativo curto espaço de tempo;
  • A alta da inflação;
  • O vencimento de linhas de crédito tomadas durante a pandemia.

 

Dado esse cenário desafiador, como credores podem continuar dando crédito, sem aumentar a inadimplência das empresas de sua carteira?

 

Com o objetivo de aumentar o acesso ao crédito, governos das principais economias do mundo têm implementando políticas com o objetivo de melhorar a proteção do credor, expandindo as opções de ativos que poderão ser utilizados como garantia. Garantias mais fortes podem diminuir a assimetria informacional, equalizando um pouco o poder de barganha entre credores e tomadores.

 

Dentro das opções de ativos que podem ser dados como garantia, um destaque especial deve ser dado para os recebíveis de cartão de crédito, que podem ser utilizados como fonte de capital de giro para empresas, ao mesmo tempo que reduzem os riscos dos credores.

Esse é um tema que tem sido muito debatido este ano e que inclusive sofreu uma atualização em sua regulação, como destacamos neste blog post, divido em Parte I e Parte II.

 

Utilizar seus recebimentos futuros como garantia em linhas de crédito para capital de giro para pequenas e médias empresas, o público mais afetado pela atual conjuntura, pode ser o fôlego necessário para que essas empresas possam se readequar aos desafios.

 

Adicionalmente, permite ainda que bancos, fintechs e outros credores possam acessar um público gigantesco (mais de 98% das empresas do Brasil são pequenas e médias) para oferta de linhas crédito, como o crédito fumaça (saiba mais sobre crédito fumaça neste artigo) sem que suas métricas de inadimplência piorem.

 

Recebíveis de cartões: Um aliado para capital de giro e no combate a inadimplência das empresas

 

Como citado na seção anterior, hoje é possível que empresas que realizam vendas com cartão, possam utilizar esses recebíveis futuros como garantia para tomada de crédito. Uma das linhas mais populares são as linhas para capital de giro. Essas empresas poderão utilizar seus recebíveis futuros como garantia, para acessar linhas de crédito fumaça como opção de capital de giro.

 

Os credores, por sua vez, conseguirão acessar informações muito relevantes, que dizem respeito ao faturamento e capacidade de pagamento dessas empresas. Desta forma, estarão mais convictos e balizados no momento da aprovação do crédito.

 

Hoje, graças ao open finance, já é possível que bancos, fintechs e outros credores possam dar crédito para o público de pequenas e médias empresas, utilizando os recebimentos futuros dessas empresas como garantia, de forma simplificada. A Destrava Aí, através de nossa solução de embedded finance, permite que esses credores tenham acesso à nossa plataforma de dados, que ajuda a consolidar e conciliar informações de recebíveis futuros, para uma visão mais completa do perfil de risco de cada cliente.

 

Diferente de fontes de bureaus ou outras plataformas de open finance, a Destrava Aí viabiliza as operações de antecipação e de crédito fumaça de forma simples e integrada.

 

Assim, os credores além de terem acesso a agenda de recebíveis de seus clientes, poderão também fazer o acompanhamento e gestão dos ativos em garantia, mitigando assim a inadimplência das empresas de sua carteira.

Veja Também

Conheça 5 registradoras de recebíveis autorizadas pelo Banco Central

22 nov, 2022

Confira a nova regulação de arranjos de pagamentos publicada em 2022

9 dez, 2022

Registro de recebíveis de cartões: um resumo para iniciantes!

13 nov, 2022

O que são arranjos de pagamentos?

27 dez, 2022